Em cena: Novidades do mês!

Depois do Oscar 2017 e de uma semana com poucas estreias, a indústria cinematográfica volta a emplacar um número considerável de novas produções nas telonas! Entre as novidades que acabaram de chegar aos cinemas, quatro filmes tiveram suas histórias inspiradas em livros.

Negação

O primeiro filme da lista é uma história baseada em fatos reais e narra a luta da escritora Deborah Lipstadt para provar uma verdade histórica contra David Irving, que a acusa de difamação por declarar que ele não acredita na existência do Holocausto.

Irving é um autor inglês que, em seus inúmeros livros sobre a Segunda Guerra Mundial, aborda os impactos e as atrocidades dos campos de concentração, mas chega a questionar a existência das câmaras de gás, descrevendo o Holocausto como “uma lenda”. E são justamente essas alegações negacionistas que levaram a historiadora americana Deborah Lipstadt a descrevê-lo, em seu livro Denying the Holocaust, como “um dos mais perigosos porta-vozes do negacionismo do Holocausto”. Indignado, Irving abriu um processo por difamação contra Lipstadt.

O longa foi inspirado no livro homônimo de memórias escrito pela própria Lipstadt, no qual a autora descreve os dias do julgamento e revela o drama que foi ter de seguir o conselho de seus advogados, sendo obrigada a ficar em silêncio enquanto seu objeto de estudo e seus princípios eram desvirtuados diante do tribunal e da imprensa mundial.

O Crime da Gávea

O segundo filme da lista é uma produção nacional e foi baseada no romance homônimo de estreia do autor e novelista brasileiro Marcílio Moraes.

O Crime da Gávea conta a história de Paulo, que um dia chega em casa e encontra a esposa morta. Enquanto a polícia investiga o crime, o protagonista da trama dá início à sua própria busca pelo culpado, entrando em uma série de suspenses e mistérios.

Silêncio

Silêncio, o terceiro filme da nossa lista, foi inspirado na obra do aclamado escritor japonês Shusaku Endo. A adaptação para o cinema foi indicada ao Oscar 2017 na categoria de Melhor Fotografia, mas quem levou a estatueta foi o premiado La La Land.

O drama se passa no século XVII, quando dois padres jesuítas, Sebastião Rodrigues e Francisco Garupe, são enviados ao Japão à procura do seu mentor desaparecido. Com o país fechado ao mundo exterior e o Catolicismo proibido, eles enfrentam a perseguição e a violência em uma jornada de resgates e descobertas espirituais.

Papa Francisco: conquistando corações

O último filme da lista também tem a temática religiosa e conta a história do maior líder da igreja Católica nos dias de hoje. O filme biográfico foi inspirado no livro Pope Francis, life and revolution, escrito por Elisabetta Pique e será lançado em comemoração ao quarto aniversário de papado de Francisco.

Quando criança, o jovem Jorge Mario Bergoglio nunca imaginaria o que viria a se tornar no futuro. Com o passar dos anos, o cidadão argentino começou sua preparação para, finalmente, ser sacramentado como o Sumo Pontíficie da Igreja Católica.

O filme é um retrato da história de vida do Papa dos tempos modernos, que já foi tema de outros livros e até de uma minissérie na Netflix: Pode me chamar de Francisco.

Afinal, o Papa é pop não é mesmo?

Mineiro, jornalista, escorpiano, leitor de boas histórias, amante de práticas saudáveis, apaixonado pela natureza e por boas vibrações.

Deixe uma resposta