Mil pedaços de você – Claudia Gray

Imagine que existem dimensões paralelas. Enquanto vivemos nessa realidade, existe uma outra em que a tecnologia é mais avançada ainda ou uma em que os países estão submersos devido ao derretimento das calotas polares.

Você existe em todas os mundos, mas em outras versões de si mesma. Por exemplo: na dimensão A, sou estudante de biologia e tenho um gato de estimação. E algumas coisas permanecem, então eu posso continuar viciada em séries do Netflix em todos os lugares.

As pessoas que você conhece também existem, mas você pode nem conhecê-las. No entanto, graças ao destino, é provável que vocês tenham alguma relação. Assim, seu pai nesta realidade pode ser seu professor numa outra.

É neste cenário que se passa o “Mil pedaços de você”.

A história gira em torno de Marguerite Caine, irmã de Josie e filha de dois físicos brilhantes: Sophia Kovalenka e Henry Caine. Foram eles que descobriram a existência de outras dimensões e são famosos por isso. Com a ajuda de dois estagiários, Paul e Theo, eles acabaram de desenvolver um dispositivo – chamado Firebird – capaz de nos transportar para essas realidades paralelas.

Estava tudo caminhando para o sucesso quando o pai de Meg é assassinado (não é spoiler, está na sinopse!). E todos os indícios apontam Paul como assassino, até porque ele apagou os dados da pesquisa e fugiu com o dispositivo para outra dimensão, ou seja, o crime perfeito! Mas o suspeito não contava com a esperteza de Theo, que guardou dois Firebirds e decide ir atrás de Paul pra se vingar. Como nada é por acaso e são DOIS aparelhos, a teimosa Marguerite embarca com ele nessa jornada pokemon.

Contudo, passando por tantas dimensões e conhecendo diferentes versões de si mesma e das pessoas que ela ama, as certezas de Marguerite começam a diminuir. E o que era uma busca por vingança se torna uma busca pela verdade. São muitas reviravoltas e o final é surpreendente. E como vocês devem imaginar, rola um triângulo amoroso pra dar aquela bagunçada em tudo.

Confesso que não conhecia Claudia Gray, mas adorei o modo como ela escreve. É fácil e envolvente. Só tenho ressalvas quanto ao começo do livro. Como Marguerite é artista e a única da família que não foi pro lado de exatas, é ela quem tenta explicar de uma forma mais “simples”, logo nas primeiras páginas, essa história de mundos paralelos. Achei bem específico e não entendi muita coisa, mas tudo vai ficando mais claro no desenrolar da história. E é muito interessante. Portanto, amigos de humanas: não desistam e sigam em frente!

Também é legal acompanhar o amadurecimento de Marguerite. No início, ela parece ser uma jovem frágil e com o coração todo despedaçado pela morte do pai, mas diante dos acontecimentos ela se torna mais forte e mais esperta. Às vezes bobinha, mas ela tem 18 anos, oras… Além disso, a autora descreve as dimensões tão bem que você consegue imaginar tudinho e pensar: que tal fazer um filme, minha gente???!!!

Fui pesquisar justamente isso e descobri que o livro faz parte de uma trilogia! O segundo já foi lançado e se chama Dez mil céus sobre você. O último, em inglês, é A million worlds with you. Já vou partir pro próximo!

Sei que nós dois gostávamos de como você vê beleza em todas as pessoas. Em todos os momentos. Ele queria ser engraçado como você, seguro no que diz, e eu também. Nós dois sonhamos em beijar você encostada num muro. Nenhum de nós jamais imaginou que teríamos chance com alguém tão incrível quanto você. Nós dois faríamos qualquer coisa, desistiríamos de qualquer coisa, para mantê-la em segurança.

Um dos Pauls.

Taurina, jornalista, casada com o Xu e mãe de um poodle preto chamado Bruce (Wayne). Poderia viver eternamente de doces e livros.

Deixe uma resposta