O Leitor – Bernhard Schilink

Antes de começar a resenha desse livro, já vou recomendar a obra logo de cara, porque ela traz em suas páginas uma história sensível e tocante e aborda um problema ainda muito comum nos dias de hoje, mas que pode ser um tanto constrangedor para quem o enfrenta. Vou ocultar o que é, para não estragar o prazer da leitura e porque isso também é mantido em segredo pelo autor do livro, sendo revelado apenas nos últimos capítulos.

O Leitor foi escrito por Bernhard Schlink em 1995 e é um dos best-sellers da literatura alemã. A obra conta a história de Michael Berg, um garoto de apenas 15 anos que conhece e acaba se envolvendo amorosamente com Hanna, 21 anos mais velha que ele. A delicada relação dos dois é mantida em segredo por Michael, que descobre o sexo e a literatura. Isso porque, durante os encontros às escondidas no apartamento de Hanna, ela pede que o jovem leia em voz alta clássicos da literatura mundial como Tolstói, Dickens e Goethe, antes que os dois tenham relações sexuais.

Ao longo do verão, o casal repete esses rituais, mas Michael sempre sabe muito pouco da misteriosa amante – e tão pouco sobre ela também é revelado ao leitor. O livro é dividido em três partes e, no final da primeira, Hanna desaparece de forma súbita, deixando Michael desolado, acreditando que nunca mais irá vê-la. Contudo, anos mais tarde (na segunda parte do livro), ele, então estudante de direito, acompanha um julgamento contra criminosos do regime nazista e, para sua surpresa, descobre que uma das acusadas do banco dos réus é sua antiga amante, Hanna.

Até aí o livro pode até parecer tratar de um amor proibido entre um jovem e uma mulher mais velha, mas na sala do júri Michael descobre, junto com o leitor, o passado de Hanna e outros detalhes que são essenciais para a construção da história. Hanna esconde um segredo, que para ela é mais grave que a própria acusação de diversos homicídios.

O livro é cheio de nomes de cidadãos e cidades alemãs, o que pode até ser difícil de guardar na cabeça, mas isso não interfere na trama principal. A publicação tem como pano de fundo a Alemanha após o fim da Segunda Guerra Mundial e apresenta ao leitor alguns detalhes desse confronto que marcou de forma trágica a história da humanidade. Porém, o enredo vai muito além disso e nos leva à reflexão sobre o problema enfrentado por Hanna.

Até a terceira parte da obra achei a leitura um pouco densa, mas acabei sendo surpreendido pelas revelações que justificam o drama pessoal da Hanna e classificando, assim, O Leitor como uma das minhas leituras favoritas. Na parte final, a obra apresenta Michael na fase adulta e descreve a maneira que ele encontrou para ajudar Hanna e o modo como ela mesma contorna o problema.

Adaptação para o cinema
A atriz Kate Winslet dá vida à Hanna.
O ator Ralph Fiennes interpreta Michael na fase adulta.

Em 2008, o filme ganhou uma adaptação para o cinema, que, claro, teve alguns ajustes em seu roteiro para a sétima arte, mas que consegue ser tão bom e tocante quanto o livro. O longa traz, nos papeis de Michael e Hanna, Ralph Fiennes (que dá vida à Lord Voldemort a partir de Harry Potter e o Cálice de Fogo) e Kate Winslet (a Rose, do Titanic).

Em 2009, a adaptação do livro para o cinema recebeu cinco indicações para o Oscar, nas categorias de Melhor Filme, Melhor Diretor para Stephen Daldry, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Fotografia e Melhor Atriz para Kate Winslet, que levou a estatueta para casa.

A atriz conseguiu viver com tanta maestria a personagem Hanna, que arrebatou ainda outros dois grandes prêmios da indústria cinematrogáfica: o Globo de Ouro como Melhor Atriz Coadjuvante e o BAFTA 2009 como Melhor Atriz.

O livro, é claro, traz muitos mais detalhes do que a adaptação para as telonas. Mas de qualquer forma recomendo, mais uma vez, que você não deixe de conferir essa história!

Mineiro, jornalista, escorpiano, leitor de boas histórias, amante de práticas saudáveis, apaixonado pela natureza e por boas vibrações.

Deixe uma resposta