Retrospectiva: 1 ano Além da Capa

Exatamente hoje, há um ano, eu postei a minha primeira resenha neste blog. Um pouquinho antes, em março, eu já havia inaugurado a página no Facebook e andava postando as minhas resenhas por lá, achando que estava mais do que suficiente. Na verdade, eu jurava que não sabia mexer em blog, embora tivesse criado um quando mais nova para postar textos aleatórios – chamava-se “Brilha onde estiver”, que tirei de uma música do Teatro Mágico (e até que durou um tempinho).

Então comecei a fazer pós-graduação e o meu primeiríssimo trabalho era criar um blog, sobre qualquer assunto. O objetivo do professor era nos ensinar a trabalhar com as ferramentas desse tipo de site e a atrair leitores. Em grupo, criamos o Vem pro Vale, que é como uma agenda cultural do Vale do Paraíba –o site está desatualizado, mas pretendemos manter a página do Facebook ativa, portanto se você é da região e quer saber sobre os eventos e atrações que rolam por aqui, curta a gente!

Pois bem, se a minha única desculpa para não criar o blog Além da Capa (nome, aliás, que demorei dias para escolher) era não saber mexer com isso, depois desse trabalho da faculdade, ela caiu por terra. E foi assim que o blog nasceu.

Nem preciso olhar para lembrar da minha primeira publicação: uma resenha do livro Clube da Luta. De lá pra cá, falei sobre livros, compras, eventos (como a Bienal do Livro, onde bato cartão) e marca páginas (que todo mundo sabe que amo e coleciono). No entanto, eu não conseguia seguir uma regularidade… estava trabalhando, estudando, recém-casada e, por isso, mal tinha tempo para ler, que dirá escrever!

Em julho, porém, mudei de emprego. E tudo mudou junto. Foi neste novo trabalho que conheci o Bruno Freitas, meu super parceiro no blog. Confesso que desde ontem estou tentando lembrar como foi que ele começou a escrever para o Além da Capa e realmente não sei – você sabe, Bruno? Me parece que foi um processo muito natural, assim como a nossa amizade, que teve início mais ou menos assim:

Thaís: Oi, vi no seu instagram que você leu Holocausto Brasileiro, eu também li e amei!
Bruno: Que legal, você também gosta de ler? 

Pronto, laço criado. Sei que ele vai se achar o rei da cocada preta quando ler isso aqui, mas sem ele o blog não teria metade dos seguidores que tem, portanto vou aproveitar o espaço para agradecer pelos puxões de orelha quando eu não publico no dia certo, por postar os textos no meu lugar quando eu não tenho ideias e, principalmente, por me emprestar tantos livros!

Inspirada pela nova amizade com tantas coisas em comum, no final de 2016, decidi colocar um plano antigo em prática: criar um clube do livro na cidade onde moro, São José dos Campos. O nome, na verdade, mudou para Piquenique Literário, porém a ideia é essa: ler um livro em conjunto e, depois, discutir a obra. Mas com comida fica ainda melhor, não é?! Eu já disse que nunca, nem nos meus melhores sonhos, imaginei que fosse dar tão certo, que eu fosse conhecer pessoas tão legais e que fosse me realizar tanto com um projeto.

PS: Agradecimentos especiais ao meu marido, Bruno (outro, Bruno Miranda), que me ajuda a organizar o piquenique, comparece em todos para tirar fotos e me patrocina com um livro por mês! 🙂

Outro momento especial desse primeiro ano do blog foi o meu primeiro presente! Ganhei dois livros de uma leitora, a Carol Pavanelli, e gostei tanto que fiquei uma semana falando disso sem parar. Em breve, vocês verão por aqui resenhas de Travessuras da menina má, de Mario Vargas Llosa e As boas mulheres da China, de Xinran.

No mais, minha gente, eu só tenho a agradecer pelas curtidas, comentários, mensagens, empréstimos, por lembrarem de mim quando veem coisas relacionadas à leitura, por perguntarem minha opinião sobre livros e tudo o mais! Isso aqui é feito pura e simplesmente por amor. Que venham os próximos anos!

Taurina, jornalista, casada com o Xu e mãe de um poodle preto chamado Bruce (Wayne). Poderia viver eternamente de doces e livros.

Deixe uma resposta