Treze almas – Marcelo César

Treze Almas foi uma das minhas aquisições no Festival Literário de Poços de Caldas e confesso que achá-lo foi uma grata surpresa. Isso porque estávamos, Thaís e eu, em uma espécie de caça ao tesouro literário em um desses estandes que oferecem livros por preços camaradas quando achei esse exemplar.

Observei a capa, li a sinopse de forma bem rápida e optei, então, por comprar o livro. Pensei comigo mesmo: “vou levar este livro, porque é o estilo de história que eu gosto”. Mas quando cheguei em casa percebi que havia cometido um engano, já que o livro conta uma história completamente diferente do que eu imaginava.

Sinopse

A sinopse da obra fala sobre o incêndio do Edifício Joelma, em São Paulo, no ano de 1974. O incidente deixou mais de 300 feridos e 191 mortos, entre eles treze corpos que foram encontrados carbonizados em um dos elevadores do prédio. Essas vítimas, que dão título ao livro, jamais foram identificadas e seus corpos nunca foram reclamados por seus parentes.

Enterradas no Cemitério da Vila Alpina, na capital paulista, os túmulos dessas pessoas passaram a receber visitação pública e muitos acreditam que essas almas são responsáveis por realizar milagres. A sinopse fala, ainda, que “este romance conta a história de uma das treze almas”, convidando o leitor a conhecer o mistério que ronda essa tragédia.

Interessante, não é mesmo? E, quando li na capa o nome do autor e a informação “romance inspirado pelo espírito Marco Aurélio”, percebi que se tratava de um romance espírita. Mas, como eu já havia lido algumas obras espíritas e tenho uma certa simpatia com essa doutrina religiosa, decidi me arriscar na leitura. Ao concluir o livro, posso dizer que gostei – com algumas ressalvas, é claro.

História

Sempre gostei de ler histórias reais e a do Edifício Joelma, que ainda é motivo de muita especulação, é um acontecimento que desperta minha curiosidade.

O primeiro capítulo começa a contar a história de um homem que, em seu leito de morte, chama por Lina, que ninguém sabe ao certo quem é. A partir do segundo capítulo, porém, a obra volta algumas dezenas de anos no tempo e passa a narrar a história de uma menina chamada Lina, que mora junto com a família no sertão nordestino.

Devido às dificuldades enfrentadas, como a sede e a fome, Lina e a família resolvem se mudar para uma nova cidade, em busca de novas oportunidades. Contudo, por causa de uma série de acontecimentos, a garota vai parar em Teófilo Ottoni, Minas Gerais. Tempos depois, ela acaba indo morar em São Paulo, tendo seu destino selado pela tragédia no Edifício Joelma.

O livro possui um estilo de ‘novelão’, já que apresenta enredos paralelos, como a história Leonor e seus três filhos; de Melissa, que também tem uma trajetória de vida muito conturbada; de Aderbal e Eugênia, que perderam a filha ainda muito cedo; de Neide, Solange e Orlando, conhecedores da doutrina espírita; de Luís Sérgio e Rosana, um casal que vive uma complica relação a dois; e, é claro, de personagens que pertencem ao plano espiritual, como Maruska – mentora de Lina – e Estevão.

Em um determinado momento, as histórias de todos esses personagens – encarnados ou desencarnados – se cruzam, dando margem para que o autor explique os desafios da reencarnação e da evolução espiritual; tudo sobre o ponto de vista do espiritismo.

Os personagens do livro, assim como muitas pessoas do nosso mundo real, não acreditam na vida após a morte, muito menos em uma possível reencarnação do espírito. Todavia, o autor não impõe sua opinião do que é certo ou errado; ele limita-se a apresentar ao leitor alguns ensinamentos do espiritismo. Em Treze almas, é explicado, com a ajuda das pessoas que vivem no plano espiritual, o porquê de existir as grandes tragédias, que resultam na morte de diversas pessoas e causam grande comoção.

Desfecho

Apesar de ter gostado da história, acredito que o livro poderia ter sido melhor editado. Algumas sugestões seriam transformar o primeiro capítulo em um prólogo, reorganizar alguns capítulos na ordem cronológica dos acontecimentos e excluir alguns trechos, colaborando para a fluidez da leitura e evitando o vai e vem dos fatos.

A obra fala muito do plano espiritual e desse contato com o sobrenatural. Então, para quem não acredita nos preceitos do espiritismo, a leitura pode ser desinteressante. Contudo, para quem tem curiosidade e gostaria de aprender sobre isso, Treze almas é um romance que apresenta de forma muito singela alguns ensinamentos dessa doutrina religiosa.

Confira o booktrailer:

Edifício Joelma

Nos séculos XVII e XVIII, o local onde foi construído o Edifício Joelma, pano de fundo para da história do livro, foi palco do açoitamento de escravos. Neste mesmo lugar, também existiu uma casa que foi cenário do famoso “crime do poço”, que chocou a cidade de São Paulo no ano de 1948.

Os dois eventos são apresentados no livro, explicando a carga de energia negativa que existia no ambiente – sim, existia, porque segundo a obra, o fogo que tomou conta do Joelma e as orações das pessoas que ficaram sensibilizadas com a tragédia ajudaram a “amenizar” essa situação.

Após o incêndio do edifício, entre as dezenas de vítimas, foram encontrados treze corpos vaporizados dentro do elevador, os quais foram enterrados em um dos cemitérios de São Paulo, que se tornou um local de peregrinação.

Placa em homenagem às 13 vítimas do incêndio no Edifício Joelma, enterradas no Cemitério São Pedro, em São Paulo.

Depois do incidente, o Edifício Joelma foi revitalizado, dando espaço ao Edifício Praça da Bandeira, que ainda é muito desvalorizado e mexe com o imaginário das pessoas.

Edifício Praça das Bandeiras

É claro que eu, motivado pela minha curiosidade, procurei vídeos e notícias da internet sobre todos esses fatos citados. E se você também ficou curioso, há muito conteúdo disponível sobre tudo o que é relatado na obra, desde os acontecimentos reais até as explicações sobrenaturais para os mistérios que os rondam, sejam ligados à doutrina espírita ou não.

Mineiro, jornalista, escorpiano, leitor de boas histórias, amante de práticas saudáveis, apaixonado pela natureza e por boas vibrações.

Deixe uma resposta